quinta-feira, 31 de julho de 2014

Ferrovia de US$ 475 milhões sobrou

Bilhões que não saem dos papéis (estudos)

Enviado por Nairo Alméri – qui, 31.07.2014 | às 21h51
Os jornais se fartaram hoje com a notícia do recebimento, pelo Governo, de “81 requerimentos de autorização” para elaboração de estudos de novos ramais ferroviários no país. Alguns chegam a quase 1 mil km de ferrovia Sapezal (MT) a Miritituba (PA), 990 km. Passando por trechos econômicos de Minas Gerais, um ligaria Anápolis (GO) a Corinto (775 km) e outro Belo Horizonte a Guanambi (BA), 845 km.  As propostas devem ser publicadas pelo Ministério dos Transportes, de forma oficial (no “Diário Oficial da União”), na próxima semana.
Mas ficou de fora um que conhecido, pelo menos desde junho de 2005, de 450 km, como opção e ligação de duas regiões econômicas significativas em Minas Gerais. Trata-se do trecho Serra do Tigre, ligação Ibiá-Sete Lagoas. O projeto era da Vale S/A, via subsidiária integral Ferrovia Centro-Atlântica (FCA). Os investimentos projetados em US$ 475 milhões levavam em consideração potencial para salto econômico na região de influência da ordem de US$ 6 bilhões, no período 2005-2010. Veja o que foi publicado na época. Leia aqui o que publiquei na época.

Perda de tempo
Mas o país é catedrático em perdas de tempo. E de forma dupla. Primeiro, pelos gastos com estudos não implementados. Segundo, quando decide por mais uma retomada: abandona estudos anteriores e faz novos gastos. O resultado disso está em perdas bilionárias em dólares por não ter executado projetos que poderiam ser alavancadores.

Nas rodovias
Exemplo claro do afirmado acima está no item “Recuperação, Manutenção e Conservação da Malha Rodoviária Existente”, página 17, do estudo “PNLT – Plano Nacional de Logística e Transporte. Sumário Executivo – Nov 2009”, elaborado pelos Ministérios dos Transportes e Defesa, com 88 páginas, rico em mapas, gráficos, pizzas etc. etc. Nem é lembrado mais e estava congestionado em bilhões de reais (no papel) em investimentos: “Segundo estimativas do DNIT, tais programas demandam recursos da ordem de R$ 2 bilhões/ano, pelo menos pelos dois próximos PPAs, o que representa investimentos de mais R$ 16 bilhões, a serem agregados aos investimentos de cerca de R$ 290,80 bilhões propostos para esse período 2008-2015”.

No PNLT
O novo traçado ferroviário apresentado pela Vale, em 2005, aparece no “PNLT” de novembro de 2009 (página 54), classificado como “retificação de traçado – 250 km”. O custo histórico era de R$ 1,361 bilhão.

Desafios
Marcada para os dias 20 e 21, em Brasília, e realizada pela Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF) e a Associação Nacional de Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos), a VI Brasil nos Trilhos colocará em discussão a “Agenda 2020: desafios e oportunidades – cargas e passageiros”.

Direito
A VI Brasil nos Trilhos dará também destaque para temas jurídicos no setor ferroviário. Estarão na mesa representantes da Representantes da Procuradoria-Geral Federal (PGF), do Ministério dos Transportes (MT), do Tribunal de Contas da União (TCU), da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e da estatal federal Valec.

Tecnológica
A novidade na programação da 20ª Semana de Tecnologia (STM), de 9 a 12 de setembro, no Centro de Convenção Frei Caneca, em São Paulo, será a premiação dos trabalhos vencedores do “Prêmio Tecnologia e Desenvolvimento Metroferroviários”. O prêmio foi criado pela Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP), ANPTrilhos e a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) e seu objetivo é estimular o desenvolvimento tecnológico na área de transporte de passageiros sobre trilhos. São considerados quesitos como qualidade técnica, ineditismo e aplicabilidade no setor metroferroviário.

Aprendiz da SuperVia
Os interessados têm até o dia 5 para concorrer a uma vaga no programa Jovem Aprendiz da administradora ferroviária SuperVia. O programa abriu 80 vagas para jovens entre 18 e 22 anos e tenham concluído ou cursando o Ensino Médio. Os selecionados terão, além dos salários, vale-refeição, cesta básica, vale-transporte, plano de saúde, seguro de vida, assistência odontológica e previdência privada. Informações no site www.mudes.org.br, da Fundação Mudes.

Pibinho afeta
Em 2013, as cargas transportadas pelas ferrovias do país registraram crescimento de 1,8% sobre o resultado de 2012, indo para 490 milhões de toneladas (ANTF), correspondendo a 25% de participação na logística do país. No início do ano, o setor projetava investimentos da ordem de R$ 6 bilhões para o triênio 2014-2016, o que não é mais considerado em função nos seguidos anúncios de quedas na economia - Produto Interno Bruto (PIB) inferior a 1%. No ano passado, pelos cálculos da associação setorial, as empresas aplicaram R$ 4,6 bilhões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário